sexta-feira, 31 de julho de 2009

Outras Palavras / Tempo da Delicadeza

Outras Palavras, este campo do blog aonde outros textos fazem suas incursões, tramas e reincursões, como é o caso de Michelle, que já esteve por aqui em outras ocasiões. Atriz, escritora, doutoranda em teatro na UNIRIO, estuda novas mídias na contemporaneidade a partir dos textos de Samuel Beckett. Colabora regularmente na revista Questão de Crítica e no site Almanaque Virtual Cultura em Movimento.

Você também possui um texto e quer publicar aqui? Envie para: celeal01@gmail.com
Carlos Eduardo Leal

Tempo da delicadeza

Há uma música do Chico Buarque chamada “Todo o sentimento”, mas pra mim, ela se chama mesmo “Tempo da delicadeza”. Há um trecho que diz: “Depois de te perder, te encontro, com certeza, talvez num tempo da delicadeza, onde não diremos nada; nada aconteceu”. Dou pause na música do Chico para discutir um tema delicado, mas fundamental: a desmistificação do amor como o mais nobre, virtuoso e intocável dos sentimentos, raramente associado a aspectos negativos. Mas, não é só isso. Proponho uma reavaliação do status quo do amor – a noção romântica de “alma gêmea”, de que “o outro é o meu complemento”, “o outro é a minha metade”, “o outro é o meu oposto”, “tem o que eu não tenho”, “só ele (o outro) pode me dar o que eu não tenho”, “só ele pode ser o que eu não sou, ou não tenho coragem de ser” – frases que não passam de chavões que confirmam a idéia de que “é impossível ser feliz sozinho”, como dizia o saudoso Tom Jobim. Como letra de música e poesia, o amor é tema exaustivamente cantado por grandes poetas da humanidade; na vida de carne e osso, o amor determinadas vezes é uma enorme furada. Furada tão grande que acaba por revelar o “buraco” indicador de nossa sagrada e cantada incompletude. “Valei-me Deus, é o fim do nosso amor, perdoa, por favor, eu sei que o erro aconteceu, mas não sei o que fez tudo mudar de vez, onde foi que eu errei, eu só sei que amei, que amei, que amei, que amei...”, canta Djavan em “Flor de Lis”. Há pessoas que acreditam que o “buraco” é próprio da natureza humana e que só se pode ser feliz, resolvendo essa situação por meio do tão desejado e sonhado encontro amoroso. O amor vira a única saída do buraco. Esquecem-se de que inúmeras vezes, o amor é a porta de entrada “no buraco”. O “buraco”, para a teoria psicanalítica, seria uma “espécie de cicatriz umbilical psíquica”, um “resíduo derivado da traumática vivência do ato de nascer”. A pessoa se sente como metade, mas na verdade, é inteira. A insegurança pessoal camuflando-se em nome do amor transforma-se assim num argumento que outorga o direito de um parceiro sobre o outro, o direito de subjugá-lo, de impor limites ao livre exercício da individualidade do outro. Mas há outras possibilidades para o amor. Uma delas é chamada de “companheirismo”. Se o amor (romântico) reforça a ânsia de fusão com o outro, o companheirismo corresponde a uma sensação de aconchego entre pessoas que se vêem inteiras, ainda que se sintam incompletas. É aqui que dou play e volto ao trecho da música do Chico, “Tempo da delicadeza”: “Depois de te perder, te encontro, com certeza, talvez num tempo da delicadeza, onde não diremos nada; nada aconteceu”. Esse tempo é o instante, o instante-já (“Agora é o tempo inchado até os limites”, escreveu Clarice). Quero um tempo de me perder e de (te) perder, um tempo de me encontrar e (te) encontrar depois, um tempo “além do tempo”, um tempo de olhar para as coisas insignificantes (“Pessoas pertencidas de abandono me comovem: tanto quanto as soberbas coisas ínfimas”, disse certa vez o poeta Manoel de Barros), um tempo de não dizer nada, tempo de nada acontecer (é aí que tudo acontece), tempo de falhar, tempo de tentar, tempo de falhar de novo, tempo de mais fraquezas que certezas, mais errâncias que constâncias, mais inteiros que metades, mais companheiros que lunáticos fanáticos fantásticos. Tempo da delicadeza. “Tempo, tempo, tempo, tempo, entro num acordo contigo, tempo, tempo, tempo, tempo...”. Mas essa já é outra música, outra história.

Michelle Nicié

8 comentários:

Ana Paula Gomes disse...

Oi Michelle,

Lindo o seu escrito, adoro essa conjunção, conjugação da literatura com a música!!!! Ando completamente causada pelo tempo, que nem sempre é de delicadeza. Adorei!
Ana Paula

Michelle Nicié disse...

Oi Ana Paula,
que bom que curtiu o texto.
é o tempo da delicadeza anda meio escasso...
abração
Michelle

Tatiana Telink disse...

Michelle,
Sabe como foi que me senti?
Que peguei sua mão e mergulhei num lago profundo de sons, melodias, poesia, amor e absoluta compreensão do que nem sempre conseguimos entender. Obrigada! Que bom que essa rede de pessoas pode se encontrar nos mais diversos lugares.
Voltei do mergulho de alma lavada.
Inté outro dia!
Tatiana

Michelle Nicié disse...

Puxa Tatiana, nem sei o que dizer...
A sua leitura é de uma sensibilidade e delicadeza extremas.
Obrigada por compartilha-la comigo.
Grande abraço,
Michelle

Michelle Nicié disse...

Cara Cláudia,
concordo com você, acho que de fato somos por demais complexos. Já ouvi falar sobre o "Diário de um sedutor", mas nunca li. Acho que a vitimização alimenta um grande mercado global; torna-se uma moeda de troca para milhares. Gostei muito de sua lembrança do Beckett e da Sontag em Saravejo. Também me lembrei de um texto que minha mãe me mostrou ontem do Chaplin em seu discurso final no filme O Grande Ditador. "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém nos extraviamos. A cobiça envenenou a alma dos homens... levantou no mundo as muralhas do ódio... e tem-nos feito marchar a passo de ganso para a miséria e morticínios. Criamos a época da velocidade, mas nos sentimos enclausurados dentro dela. A máquina, que produz abundância, tem-nos deixado em penúria. Nossos conhecimentos fizeram-nos céticos; nossa inteligência, empedernidos e cruéis. Pensamos em demasia e sentimos bem pouco. Mais do que máquinas, precisamos de humanidade. Mais do que inteligência, precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes, a vida será de violência e tudo será perdido". Acho muito belo o texto, ainda que ache também que estamos num outro momento. Acho que precisamos da razão, do cohecimento e da inteligência, sim. Tanto quanto precisamos de afeto, doçura e delicadeza. Acho que nessa época de desrazão, precisamos da inteligência atrelada ao discernimento, este último, indispensável, na minha opinião. um beijoe obrigada pelo comentário, Michelle.

Michelle Nicié disse...

Oi Cláudia,
gostei muito do comentário que você me enviou por e-mail sobre o livro "A elegância dos ouriços", da Muriel Barbery. Com certeza vou procurar. Curto muito os quadros do René Magritte, inclusive já estudei sobre esse pintor no livro do Michel Foucault chamado "Isto não é um cachimbo", uma referência direta ao Magritte. Vai aí uma excelente dica de leitura. beijão, Michelle.

Inútil disse...

Muito bom! Gostei!

Michelle Nicié disse...

Obrigada Inútil.
abraços