sábado, 14 de fevereiro de 2009

Van Gogh


Estava cansado de andar e resolvi calçar Van Gogh. Assim, descansei meus olhos, desamarrei meu dia e, descalço, pude sentir o preço da leveza. Peguei tinta e pincel e, com eles, escrevi o seu nome sobre uma tela de linho branca. Escrevi com diversos tipos de letras e todas as cores disponíveis. Seu nome estampado virou um vestido que colava em teu corpo. E você flutuava em letras comigo pelos canais de Amsterdã. Nas tardes cansadas, um arcoíris flanava por entre as nuvens. Então, exaustos, íamos tomar um vinho na velha estalagem. Você sorria e, afagando meus cabelos, me fazia deitar em seu colo até sonhar colorido.
Estava cansado de andar e resolvi calçar Van Gogh. Assim, descansei meus olhos nos teus e desamarrei o dia.

2 comentários:

Telma Miranda disse...

Cara, você fez uma pintura com as palavras. Viajei... - Levantar âncoras, desamarrar os dias e flutuar nas imagens-palavras do poeta.
Melhor que isso? Só o vinho em tarde chuvosa na velha estalagem...

Carlos Eduardo Leal disse...

Telma,
Quando se lê as Cartas a Theo (irmão de Van Gogh) percebe-se que ele descreve os locais com imagens que já são um quadro. Então, diga-me: qual é mesmo a diferença entre uma palavra e uma pintura? Aliás, há ao menos uma entre tantas semelhanças. Com o tempo elas desbotam.