domingo, 5 de fevereiro de 2012

Sonhos


Do alto de meus intervalos, abismei um olhar sobre o mar: ondas varreram minhas praias, noites ofuscaram meu cansaço, minhas mãos trêmulas decantaram desamparadas sobre frágeis inspirações. Alisei uma pedra como se fosse uma lâmpada mágica. Desesperança: não saiu um gênio de seu interior. Nenhuma palavra. Mas eu queria falar para os intervalos que me habitavam. Reuni todas as forças e gritei o mais alto que pude. Uma, duas, muitas vezes. Não houve resposta. O silêncio sempre é uma resposta, habituei. Os silêncios são meus intervalos, deduzi. As ondas continuavam a bater contra meus ombros. Estava cansado do dia. 
Deitei sobre a luz que ainda havia. Esperei que a noite pudesse a-dor-mecer os insultos e os temores infantis. Sonhei...

6 comentários:

ANA MARIA disse...

Há resposta nos silêncios, mas nem sempre compreendemos.Texto para refletir, Carlos Eduardo! Bj

RenataZ disse...

Sonhei .... Fugi .... Acordei. E...
Ou pirava, ou ia à luta.
Ainda bem que a ESPERANÇA existe.
Vamos à luta.
Abçs

Marta disse...

gostei muito, Carlos.
às vezes gosto tanto que nem digo nada. verdade.

abraço

Carlos Eduardo Leal disse...

Obrigado pelo carinho, Marta

Anne disse...

O que faríamos sem os sonhos?

beijos
Anne

Raquel disse...

Lindo, Carlos.

Ótimo foi retornar aqui...

Beijo!