quarta-feira, 23 de maio de 2012



Finisterra - Para James Joyce

Finisterra
A sombra do fim
Permeia mortes.

O apocalipse
O príncipe Andaluz
A voz que principia
A morte.

Tudo toca o ar
Num único e
Derradeiro
Mo(vi)mento.

Basílica de luz
A sombra sem fim
Finisterra
É a morte do princípio
Da morte.

Finisterra
Prolixo
Prolitter, a letter
Prolixa
A sombra sem morte
Inerte.

A ponte entre
A língua e a guitarra
Excita corações
Eu não /
Emudeço.

Finisterra
Último suspiro:
Morte além da morte.

E quando tudo se for?
Pergunta-se atônito.
Porque ao silêncio deves /
Uma morte.
Não duas, mas
Finis
Terra.
Finis
Finesgan
Finesganwake.

Lisboa, 07/04/2012

2 comentários:

luanar disse...

este faz reflectir... deixarmo-nos voar com as letras...

Anônimo disse...

Finisterra
O verdadeiro início
Recomeçar,
Reinventar,
Reconstruir o fim.