domingo, 25 de setembro de 2011

No tempo da delicadeza

 



No tempo da delicadeza você inventava nomes para as bolinhas de sabão. Eu, ainda de short e sem camiseta, corria suado atrás das bolinhas para devolvê-las para você. Te amava em cada uma delas. E acreditava que conseguiria segurá-las nas minhas mãos em concha e trazê-las de volta. Ainda hoje tento capturar o impossível e, deliciosamente, você continua com o mesmo olhar a sorrir das minhas sandices. Às vezes corro para segurar uma nota musical. Noutras tento segurar a cor de uma palavra para te dar um jardim.

3 comentários:

LuH disse...

E que as delicadezas nunca se acabem...
E que o desejo continue fazendo com que as pessoas persigam suas bolas de sabão, suas notas musicais, suas cores...

Delicadíssimo, terno, e tem cheirinho de criança

Amei!

Abç

Anne M. Moor disse...

Carlos Eduardo

Bolhas de sabão ehm?! Me levaste de volta a minha infância... Delícia!

bjs
Anne

ANA MARIA disse...

Tão lindo...Fiquei delicada!Bj