segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Aceno

Ver imagem em tamanho grande


Há surpresa na frase
há surpresa no vazio
no oco da palavra
que reverbera
como o grito de uma noite.

Há surpresa
grito
e de lá
ouve-se um aceno
único / branco
estampido.

Louva-se o trem:
é você depois /
mais ninguém.



17 comentários:

Ana Lúcia Porto disse...

Oi Carlos,

Que linda despedida... Aquela que o coração guarda como se jamais partira.

Beijos,
Ana Lúcia.

Anne M. Moor disse...

Há surpresa a cada passo na vida! Poetando Carlos Eduardo? Que lindo!

Beijos de bom dia
Anne

Adriana Guedes disse...

Oi, Edu!
Estou te acenando daqui.
Bj
Adri.

MaRi_aNa disse...

ai, que lindo! voltei pra minha fase caetano logo, tudo me lembra ele...o 'oco da palavra' me lembrou 'a terceira margem do rio' no verso 'água da palavra'...e é tao lindo quanto. depois disso, só o apito do trem...mas aí...aí já são outros quinhentos..hehe
bjo. mari

Danielle disse...

Carlos Eduardo, muito obrigada por seu comentário! Sou apaixonada por essas canções antigas. Prometo que vou atualizar meu blog com mais frequência. A propósito, dê uma passadinha neste outro blog meu: www.ofilmequeviontem.blogspot.com. Cinema é uma outra paixão minha.

Bjos
Dani

Liv disse...

Oláa, obrigada por acessar meu blog e deixar suas impressões. Falando nisso, quanta sensibilidade literária! Tb adorei o seu poema! Abraçosssss

Michelle Nicié disse...

será que é por isso que a palavra aceno traz oceano dentro?
beijos

Carlos Eduardo Leal disse...

Mariana,
Tudo que se refere ao conto "A terceira margem do rio" de João G. Rosa eu adoro,
bjs

Carlos Eduardo Leal disse...

Ana Lúcia,
adorei seu comentário sobre a despedida e o coração...des-pedido
bjs

Carlos Eduardo Leal disse...

Adri,
voltou né? rs
bjs

Carlos Eduardo Leal disse...

Anne querida,
comecei assim, poetando em minhas veredas literárias, depois é que descambei para a prosa poética e a ficção. Vez por outra fico saudoso de mim e poetiso rs
bjs

Carlos Eduardo Leal disse...

Danielle,
Obrigado pelo passeio sensível por estas veredas,
volte quando a vista descansar,
bjs

Carlos Eduardo Leal disse...

Liv
Seja sempre bem vinda! Textos foram feitos mesmo para circular e não mais nos pertencer,
bjs

Carlos Eduardo Leal disse...

Ah, Michele,
Que linda descoberta. Dá vontade de naufragar de vez nas palavras e oceanar
bjs

Ana Lúcia Porto disse...

Oi Carlos,

Faz muito tempo que não aparece para tomar um café comigo e bater um papinho.

Amigos sempre serão bem vindo, por lá.

Beijos,
Ana Lúcia.

Adriana Guedes disse...

Parou por quê?
Por que parou?
Bj

Carlos Eduardo Leal disse...

Puxa, Adri
O escritor aqui também merece um mergulho fora desta vida obscena das palavras sem juízo...rs.
Mas adorei que você tivesse sentido falta das minhas veredianas-palavras. Agora voltei. Quem viver lerá.
bjs :)