terça-feira, 26 de julho de 2011

Quando o corpo me trair por completo


Magritte

Quando o corpo me trair por completo
Hei de deitar meus olhos
Nas citações que não pude ler
Nos caminhos dos quais me esquivei.

Quando o corpo me trair por completo
Uma nuvem terá mais serventia
Que um garfo
Uma estrela cadente será mais companheira
Do que um labrador.

Quando o corpo me trair por completo
Não sentirei saudades
Porque dizem que da lembrança
Só há contornos enevoados
Nem sentirei remorsos
Porque o que está feito interrompeu-se.

Quando o corpo me trair por completo
O quotidiano já não me fará falta
Porque o tempo andará na mesma velocidade
Que o meu pensamento.

Quando o corpo me trair por completo
O pensamento terá abstraído das inutilidades
E só ficarão coisas que duram um segundo de eternidade
Como o voo de um beija-flor quando mergulha para beber flor.

Quando o corpo me trair por completo
Apenas de uma coisa eu não terei esquecido
E aí sim terei saudade
E aí sim a palavra eternidade doerá ao infinito
Porque estarei nele
E dizem que não há volta lembrável.

Quando o corpo me trair por completo
O meu amor não irá se interromper
Porque não fazem amor que acabe junto ao corpo.
Não se diz fim e tudo termina.
Aliás, nada é o que se diz.
E é deste amor que não termina que os dias serão feitos
E-ternamente a esperar por ti.

Quando o corpo me trair por completo.


Ps: Inspirado numa frase de valter hugo mãe.

3 comentários:

rosi disse...

Quando o amor é verdadeiro, esse sim nunca se acaba, haja o que houver, mesmo nos (des)encontros da vida.Bjs!

Anne disse...

"E é deste amor que não termina" que a gente se alimenta e reinventa a vida se e quando necessário...

bjs
Anne

Silvia King Jeck disse...

Valter Hugo anexou Mãe ao nome justificando ser este o único amor incondicional. Que homenagem linda!
Mas, como te falei em email, nós te amamos pelo Amor em si e pelo Amor às palavras que nos transmites.
Bjo, Silvia